Estamparia do Futuro

Como Revelar Telas de Serigrafia (matrizes) – Iniciante a Avançado

Como Revelar Telas de Serigrafia (matrizes) – Iniciante a Avançado

Compartilhe esse post!

A produção da matriz serigráfica, ou popularmente tela de silk, é sem dúvida nenhuma o ponto mais importante do processo serigráfico, por isso neste post vou te guiar através de um passo-a-passo que com certeza vai dar um gás aí na sua estamparia:

Passo 1 – Preparo da arte:
Criar o desenho e separar as cores, para isso você pode utilizar softwares de edição de imagens ou de saída impressão. Os mais comuns na serigrafia são o
Corel Draw e o Photoshop. 

Sua arte para serigrafia pode ser “chapada” como os exemplos abaixo:

Estampa vetorial (chapada): Estampa com plastisol relevo base cinza e plastisol gel aplicado com foil para detalhe
Matriz serigráfica para aplicação de estampa chapada


Ou mesmo reticulada (imagem toda pontilhada), como no caso abaixo os alunos do Curso de Serigrafia Pro+Expert estão estampando uma imagem que foi separada pelo método INDEXADO

Alunos estampando imagem separada no photoshop pelo método Indexado
Neste desenho que foi separado por Rafael Roan, foram utilizadas 4 cores: Vermelho, Bordô, Cinza e Preto
Imagem final estampada: As sombras e efeitos de brilho foram feitas em função da imagem reticulada.

 Basicamente temos os seguintes tipos de separações de cores para serigrafia:

 – Vetorial ou chapado (pra cada cor um fotolito / tela)

– Retícula: Quadricromia (utilizamos 4 cores que são Cyan, Magenta, Amarelo e Preto com um alto grau de transparência para que durante suas misturas formem milhares de cores)

– Retícula: Indexado (processo pelo qual se separa as cores do desenho, capturando cada cor existente e praticamente não se utiliza sobreposição de cores)

– Retícula: Simulado (processo pelo qual se separa as cores do desenho, capturando cada cor existente ou através de mistura de cores para que se forme outros tons)

Para você se inteirar melhor eu separei os vídeos abaixo:

Neste vídeo eu faço uma retícula bem simples utilizando o Corel Draw

 Neste vídeo já partimos para Quadricromia no CorelDraw

 

Pra que você possa fazer suas quadricromias utilizando o Photoshop eu criei um plugin (conjunto de ações do Photoshop) totalmente GRATUITO basta você baixar aqui https://www.cmykpro.silktv.com.br/ 

 

Se quiser saber mais eu aconselho o CURSO ONLINE PHOTOSHOP PARA SERIGRAFIA do Rafael Roan. Se você não sabe que é o Rafael dá uma olhada nessas Lives que fiz com ele

 

Ufaaa, quanta coisa…. e nem chegamos no passo 2 ainda…. hehehehe


Passo 2: Impressão dos diapositivos (fotolitos)

Aqui é onde as pessoas começam a errar…. A escolha do material do fotolito e determinar como ele vai ser impresso, pode fazer total diferença na sua vida! De verdade! 

Te peço uma coisa: não erra nisso não.

O fotolito para ser perfeito, tem que possuir alta transparência nas áreas abertas por onde passa luz e alta opacidade, ou como se diz por aí ser bem pretinho, na área impressa e que tem que bloquear a luz.

Materiais como laserfilm, papel vegetal e o famoso óleolito (fotolito feito com papel sulfite e aplicado óleo) não possuem a transparência necessária ou a estabilidade necessária, sobretudo se for impresso em impressora a laser. Mas isto vou deixar para outro post senão esse ficará gigante!

Hoje sem a menor sombra de dúvidas a melhor tecnologia para fotolitos com excelente custo-benefício e com acesso a todos é a IMPRESSORA JATO DE TINTA e FILMES DE FOTOLITOS PRÓPRIOS PARA INKJET (jato de tinta). Dá uma olhada no fotolito na foto abaixo.


Esse fotolito é importado pela GÊNESIS GLOBAL e você acha aqui no site deles GÊNESIS GLOBAL. Eu já fiz alguns vídeos de jabá no TERÇA DE SUCESSO pra divulgar o filme da Gênesis Global:

 

E tem algumas LIVES também:

 

 

Passo 3: Escolha da abertura do tecido das matrizes (44, 55, 77, 90 fios por cm… e assim por diante)

Bom, você deve estar pensando assim: ah essa fase é fácil, se eu quiser mais definição eu uso telas mais fechadas, se eu quiser mais cobertura uso telas mais abertas… Certo? 

Pois é, mas não é bem assim que funciona, pois não é a tela mais fechada que vai garantir mais definição. A tela na verdade funciona como um filtro, telas mais fechadas “filtram” mais as tintas de forma que passem menos pela tela, o que garante a definição é o fotolito+emulsão+lampada utilizada. Quem vai definir qual tela que você vai usar é a Tinta! Isso mesmo, tintas brancas e a base d’água, como HIDROCRYL BRANCO da Gênesis Tintas, devem ser aplicada e matrizes de no máximo 77 fios, mas eu mesmo aconselho no máximo 44 fios/cm. Ok, agora que você entendeu essa parte, sua principal dúvida é: onde eu acho essas informações? Sempre no site do fabricante, na Gênesis por exemplo você vai em PRODUTOS e escolhe a linha e depois clica em BOLETIM TÉCNICO

 

lá vão estar todas as informações:

 

 

Aqui no site da GÊNESIS GLOBAL tem uma tabela bem legal que mostra o número de fios, %de área aberta do desenho, volume que deposita, etc

 

 

Passo 4: Preparo da Matriz

O preparo da matriz é bem simples e consiste em basicamente você eliminar toda a sujidade do poliéster. O grande vilão aqui são gorduras e óleos (que vão repelir a emulsão e criar os famosos olhos de peixe) ou mesmo poeira que também pode criar olhos de peixe. Pra isso você pode usar um detergente neutro de cozinha, que basicamente não desengraxa nada a tela, então é quase que a mesma coisa que usar água pura. 

Ou optar por um desengraxante de matrizes que quase todos os fornecedores tem, claro que tem uns melhores e outros piores, mas o que eu gosto e uso nos cursos é o DESENGRAXANTE MR10 – TRIPLA AÇÃO da Gênesis Global, a Gênesis Tintas tem também o desengraxante para telas. É bem simples o uso, somente passar com uma esponja ou broxa dos dois lados da tela e deixar agir por uns 5 minutos aí você já pode lavar. Esse passo embora pareça bem bobinho, não é não, além de não dar os olhos de peixe, utilizar o MR10 aumenta o poder de fixação da emulsão na tela.


Passo 5: Escolha da Emulsão

Agora é a hora de maior atenção e você tem que levar em conta algumas características das emulsões que nem sempre são claras:

– Se é resistente a água, se é resistente a solventes ou se é universal. 

– Qual sensibilizante

– O número de sólidos (heim????) 

– E o custo, claro.

O primeiro quesito é bem fácil, se você é da área têxtil irá trabalhar essencialmente com emulsões resistentes a água, mesmo que você trabalhe com tintas plastisol. Agora, pra quem trabalha com tintas vinílicas, sintéticas ou mesmo UV a emulsão é a resistente a solvente. As emulsões Universais (aquelas que funcionam pra qualquer tipo de tinta) é utilizado geralmente em pequenas fabricas de brindes por exemplo onde a variedade de materiais é enorme, mas temos que levar em conta que essas emulsões são de 30 a 40% mais caras. A emulsão QLT da ULANO que é representada no Brasil pela Gênesis Global é um exemplo deste tipo de emulsão. 

Quanto ao tipo de sensibilizante, temos que ter muita atenção, pois uma grande parte das estamparias Brasileiras ainda utilizam sensibilizante Bicromato, esse material é extremamente tóxico e poluente, além de não ser um eficiente na sua função. Como por exemplo, endurecer a emulsão mesmo na ausência de luz, o que impossibilita estocar telas emulsionadas. No vídeo abaixo eu fiz um overview sobre emulsões.

 

E tem uma Live:


Passo 6: Aplicação da emulsão e secagem

A aplicação da emulsão sempre tem que ser feita com calhas próprias para emulsionamento de telas, isso vai garantir uniformidade e o principal: o controle de espessura de camada. O controle da camada vai nos ajudar no cálculo de tempo de exposição, além de ser através de uma camada adequada que vamos garantir a definição da revelação e consequentemente da impressão. Neste ponto é simples, sempre começamos aplicando pelo lado externo da matriz e finalizamos pelo lado interno, pois temos que garantir que a camada de emulsão fique formando uma casquinha de relevo do lado externo. Para que você entenda facilmente, quando aplicamos a emulsão de um lado da matriz estamos “empurrando” ela para o outro lado. Portando se queremos um leve relevo na matriz do lado externo temos que finalizar aplicando pelo lado interno.

No vídeo abaixo eu faço uma brincadeira sobre certo x errado no laboratório de emulsionamento.

Passo 7: Exposição (lâmpadas)

Nesse passo temos que ter também muita atenção, quase todos os dias alguém me pergunta sobre lâmpadas para exposição. Então vamos a um rápido tutorial.

Primeira coisa que temos que saber é que o sensibilizante das emulsões reagem a luz UV (ultravioleta), portanto a lâmpada TEM que emitir UV, mais especificamente UVA (entre 315 a 400nM) e não importa se ela é led, tubular, ovoide, ou mesmo a nomenclatura (HQA, HPCM, etc). O que nos importa é se emite UV e qual a potência, e aqui não adianta saber a potência total da lâmpada e sim a potência do UVA disponível na lâmpada. E agora começa a confusão, a grande maioria das lâmpadas brancas emitem um pouco de UVA, uma mais outras menos. Dá uma olhada na ficha técnica da lâmpada abaixo:

 

Embora a lâmpada seja de 300W ela somente emite 13,6W de UVA, aproximadamente 4,3% o que podemos considerar pouco.

Já no caso abaixo da lâmpada HQ! de 400w da Osram o que vemos é que embora ela possui filtro de UV o que deixa ela com nível de emissão abaixo do nível estipulado no IEC 61167, esse nível máximo foi determinado para que a lâmpada seja usada em ambiente interno sem causar danos as pessoas, por isso se não emite UVA suficiente não serve pra gente!

 

Já as lâmpadas abaixo possuem boa emissão UVA.

No caso da Actinic BL de 40W da PHILIPS por volta de 10W é UVA (25%)

-E a DULUX L BL de 55W da OSRAM de 55W aproximadamente 22% é UVA (12W)

 

Se considerarmos 1 metro de distância da lâmpada até a matriz o ideal é termos um mínimo de 50w de UVA para que possamos ter uma exposição relativamente rápida com emulsões de diazo: Entre 75 e 90 segundos.

E tem tambem a fita LED UV

 

Pra saber mais sobre lâmpadas eu fiz esses vídeos aqui:

 

Passo 8: Acabamentos Finais 

Agora vem a hora de imprimir suas estampas. Se tudo deu certo nos passos anteriores você não vai ter grandes problemas com revelação estourando, véu, microfuros e tudo mais. Mas deixa eu te dar uma dica que pode te ajudar, sobretudo se você está em regiões quentes e constantemente tem que ficar com o paninho embaixo da tela limpando… aí não tem emulsão que resista… Para que você dê uma reforçada na emulsão e ela fique bem mais resistente, a Gênesis tem um produto que se chama EMULFIX esse produto você aplica, com o auxílio de um borrifador, pelo lado de dentro da tela (o lado que pegou menos luz) e ele fixa legal a emulsão.

Esse foi o passo-a-passo, comenta aí o que você acha e de também seu pitaco aqui na página, hehehe.
Se você quer se aprofundar mais sobre matrizes eu criei um curso online sobre MATRIZES que é sucesso de público e está disponível na integra para os ASSINANTES DA ESTAMPARIA DO FUTURO

 

 

Compartilhe esse post!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares